segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Vinil para Legião Urbana!




Foi relançada a obra completa do Legião Urbana em três formatos: CDs avulsos,caixas de CDs e discos de vinil ,e estão cheios de novidades .Os vinis saem com capa dupla e os CDs, em digipack. Cada um dos LPs (A Tempestade e Uma Outra Estação estreiam no vinil) e o mesmo material está também no encarte dos CDs. Foram dois anos para a obra completa da Legião Urbana chegar às lojas .

A Tempestade e Uma Outra Estação são duplos e devem chega às lojas ao preço de R$ 190 cada. Os demais custam cada R$ 120 (As Quatro Estações e Descobrimento do Brasil) e R$ 140 (Legião Urbana, Dois, Que País É Este? e V). Os CDs vendidos devem custar em torno de R$ 30, cada. O box tem tiragem limitada de 2 mil exemplares e sai por R$ 350.

Aos fãs de carteirinha é melhor garantir o seu,até mesmo porque,deve ser uma delícia descobrir tanta coisa legal sobre a banda que se desconhecia.

Dica de livro bacana!



Os anos 90 não tiveram os exageros da década anterior. Não havia roupas amarelo-gema como nos anos 80, os cabelos não eram armados como nos anos 70, e, definitivamente,tudo foi muito mais sóbrio do que as três décadas anteriores juntas.Mas apenas na prática.

A época é o tema do livro O Estranho na Moda: A Imagem nos Anos 1990, de Silvana Holzmeister. A jornalista é editora de projetos especiais da Vogue Brasil e aproveitou sua tese de mestrado para analisar o periodo que influenciou o estilo que se estabeleceu (e se tornou o que é) hoje.

*Estética : As roupas com influência minimalista, cortes retos e ausência de detalhes precisaram vir do outro lado do mundo para enfrentar os resquícios dos anos 80. Foi o Japão que tornou relevante o estilo clean. Os belgas compraram a ideia e logo a Europa nem se lembrava mais das cores fosforescentes de poucos anos antes.
Só que isso só funcionava no dia a dia. Modelos como Claudia Schiffer e Linda Evangelista viram seu padrão de corpo (exuberante, belo e tido como perfeito, mas ainda assim um corpo normal) ser tirado das passarelas a partir da primeira aparição, em 1993, de Kate Moss na Vogue. Começava, ali, uma nova era para a estética na moda.

*Freakshow : Em 1978, a banda americana de disco e R&B Chic cantava que “O freak (esquisito) é chic”. A moda, que faz parte de movimentos culturais e lança vanguardas, sempre se apossou do freak. Mas os anos 90, com toda a sua sobriedade, foram terreno fértil para explorar ainda mais o conceito.
Parece absurdamente contraditório, mas não é. Era necessário encontrar alguma forma de chamar a atenção para aquele estilo. E a forma encontrada foi o contraste das roupas, sóbrias, e sua apresentação, grotesca. Aquela era a moda da imperfeição, da decadência.

*Heroin Chic : É aí que entra Kate Moss. A moça, em 1993, tinha 19 anos, mas cara, corpo e jeito de muito menos. É dessa época que começam a aparecer as modelos anoréxicas, com aspecto de subnutrição – e de ‘usuárias’. “Nos 90, essa coisa de adotar uma imagem que fugia do padrão de beleza se tornou um movimento grande”, conta Silvana.

O período de fim de século também sugeria um clima de tragédia (pessoas apavoradas com a ideia do bug do milênio e até mesmo o fim do mundo na virada do século). E a tragédia permeou os editoriais de moda. Destruição, morte, deficientes físicos foram usados para compor ambientes. “Eram coisas que todos viam todos os dias”, comenta a jornalista. “Mas nunca viam em um editorial de moda. Foi chocante.”

*Ícones : Com essa tendência, o mundo viu surgir grandes nomes que foram fundamentais para que, posteriormente, os anos 2000 tivessem a cara que tiveram. Alexander McQueen, Viktor & Rolf, Corinne Day e Hussein Chalayan foram alguns deles.

No Brasil, a moda começava a caminhar, com o Phytoervas Fashion, o embrião da São Paulo Fashion Week, já com o fenômeno Alexandre Herchcovitch.

O livro de Silvana aproveita para traçar referências que vão desde o filme A.I.: Inteligência Artificial, até citações do filósofo Walter Benjamin.

A década passou já há algum tempo. Mas, em dias de uma estética tão fragmentada e retrorreferencial quanto a nossa, a obra é fundamental.


O Estranho na Moda: A Imagem nos Anos 1990
Silvana Holzmeister
Editora Estação das Letras e Cores
132 páginas
R$ 54.